07 dezembro 2009

Canal Verdade Oculta



A TV pela internet tem muita coisa boa.
O canal verdade oculta, por exemplo... coisinha à toa, colocada de maneira simples...

é como um anti-globo mesmo,
um equilíbrio...

http://www.youtube.com/user/verdadeoculta#p/p

ou não.

Quão profunda é a toca do coelho?
How deep it goes?

24 novembro 2009

Intimidar para Não Argumentar

Após uma discussão em uma lista, veio esse texto.
Sensacional. Sobre a pobreza cultural que vivemos,
sobre lavagem cerebral,
a técnica mais utilizada,
e como se proteger...



----------------------- começa aqui, retirado de http://akitaonrails.com/2009/09/12/off-topic-a-argumenta--o-atrav-s-da-intimida--o


Há um certo tipo de argumentação que, na verdade, não é uma argumentação, mas um meio de evitar o debate e extorquir o acordo de um adversário baseado em noções indiscutíveis. É um método de burlar a lógica usando pressão psicológica. Uma vez que é particularmente comum na cultura de hoje e continuará crescendo, é bom aprender a identificá-lo e estar em guarda.

Este método tem uma certa semelhança com a falácia ad hominem, vem da mesma raiz psicológica, mas é essencialmente diferente. A falácia ad hominem consiste em tentar contrariar um argumento acusando o caráter de seu proponente. Exemplo: “o candidato X é imoral, pois seu argumento é falso.”

O método de pressão psicológica consiste em ameaçar a integridade do caráter de um oponente usando seu próprio argumento, então contestando a argumentação, sem debate. Exemplo: “Só o imoral não vê que o argumento do candidato X é falso.”

No primeiro caso, a imoralidade do Candidato X (real ou inventado) é oferecido como prova da falsidade de seus argumentos. No segundo caso, a falsidade de seu argumento é afirmada de forma arbitrária e oferecida como prova de sua imoralidade.
Na selva epistemológica de hoje, esse segundo método é usado com mais freqüência do que qualquer outro tipo de argumento irracional. Deve ser classificado como uma falácia lógica e pode ser designado como “a argumentação através da intimidação”.
A característica essencial da argumentação através da intimidação é o seu apelo à auto-dúvida moral e sua dependência do medo, culpa ou ignorância da vítima. É usado na forma de um ultimato exigindo que a vítima renuncie à sua idéia sem discussão, sob pena de ser considerado moralmente indigno. O padrão é sempre: “Somente aqueles que são maus (desonestos, cruéis, insensíveis, ignorantes, etc) tem essas idéias.”

O exemplo clássico do argumento da intimidação é a história As Roupas Novas do Imperador...



Nessa história, alguns charlatães vendem roupas inexistente ao Imperador, afirmando que a beleza incomum do vestuário os torna invisíveis para aqueles que são moralmente condenáveis de coração. Observe os fatores psicológicos necessários para fazer este trabalho: os charlatães confiam na auto-dúvida do Imperador; e ele não põe em dúvida essa afirmação, nem a sua autoridade moral. Ele se rende ao mesmo tempo, alegando que de fato enxerga as peças de vestuário, negando assim a evidência de seus próprios olhos e invalidando a sua própria consciência em vez de enfrentar uma ameaça à sua auto-estima precária. Sua distância da realidade pode ser avaliada pelo fato de que ele prefere andar nu na rua, exibindo as suas vestes inexistente para o povo, ao invés de arriscar incorrer na condenação moral de dois canalhas. As pessoas, motivadas pelo mesmo pânico psicológico, tentam ultrapassar um ao outro com exclamações em voz alta sobre o esplendor de suas vestes, até que uma criança grita que o rei está nu.

Este é o modelo exato do trabalho da Argumentação através Intimidação, como está sendo trabalhado em torno de nós hoje.
Todos já ouvimos e continuamos ouvindo esse tipo de coisa constantemente:

“Somente aqueles que não possuem instintos mais refinados falham em aceitar a moralidade do altruísmo.”

“Somente os ignorantes não sabem que a razão foi invalidada.”

“Somente os reacionários de coração negro podem defender o capitalismo.”

“Só sedendos por guerra podem opor-se às Nações Unidas.”

“Só os lunáticos ainda acreditam na liberdade.”

“Só os covardes não veem que a vida é um esgoto.”

“Só os superficiais procuram a beleza, felicidade, realização, valores ou heróis.”

Como exemplo de um campo inteiro de atividade baseada em nada além da argumentação através da intimidação, dou-lhe a arte moderna, onde, a fim de comprovar que de fato possuem o discernimento especial que somente a elite “mística” tem, a população tenta superar um ao outro em exclamações em voz alta do esplendor de alguns pedaço de lona borrados.

A argumentação através da intimidação domina discussões de hoje em duas formas. Em discursos públicos e impressos, ele floresce sob a forma de estruturas longas, envolventes, elaboradas de palavreado ininteligível, que transmitem nada exceto uma clara ameaça moral. (“Só os de mentalidade primitiva deixam de perceber que a clareza é simplificação excessiva.”) Mas, em particular, no dia-a-dia, ele vem sem palavras, nas entrelinhas, sob a forma de sons inarticulados contendo implicações não declaradas. Baseia-se, não no que é dito, mas em como se diz – não no conteúdo, mas no tom de voz.

O tom é geralmente de uma incredulidade beligerante ou desdenhosa. “Certamente você não é um defensor do capitalismo, não é?” E se isso não intimida a vítima em perspectiva, que responde, corretamente: “Eu sou” – o diálogo se segue mais ou menos assim:

“Ah, você não poderia ser! Não é verdade!
“Verdade”.
“Mas todo mundo sabe que o capitalismo está ultrapassado!”
“Eu não”.
“Ah, não pode ser verdade!”
“Já que eu não sei, você vai me dizer as razões para pensar que o capitalismo está ultrapassado?”
“Oh, não seja ridículo!”
“Vai me dizer as razões?
“Bem, se você realmente não sabe, não sou eu que poderia possivelmente lhe dizer!”

Tudo isso é acompanhado de sobrancelhas levantadas, de olhos arregalados, encolher de ombros, grunhidos, e todo arsenal de sinais não-verbais comunicando insinuações sinistras e vibrações emocionais de uma única espécie: desaprovação.

Se essas vibrações falham, se tais debatedores são desafiados, verifica-se que eles não têm argumentos, nenhuma evidência, nenhuma prova, nenhuma razão, nenhum motivo no qual fundamentar – que sua agressividade ruidosa serve para esconder o vácuo – que a argumentação através da intimidação é uma confissão de impotência intelectual.
O arquétipo primordial desta argumentação é evidente (e assim são as razões do seu recurso para o neo-misticismo da nossa era): “Para aqueles que entendem, nenhuma explicação é necessária; para aqueles que não entendem, nenhuma é possível”.

A fonte psicológica do que o argumento é metafísica social.
Um metafísico social é aquele que trata a consciência dos outros homens como superiores aos seus próprios e para os fatos da realidade. Para um metafísico social a avaliação moral de si próprio pelos outros é uma preocupação primária que substitui a verdade, fatos, razão lógica. A reprovação dos outros é tão terrível para ele que nada pode resistir ao seu impacto dentro da sua consciência, assim ele negaria a evidência de seus próprios olhos e invalidaria a sua própria consciência em prol da aprovação moral de qualquer charlatão vadio. Apenas um metafísico social poderia conceber tal coisa absurda como a esperança de ganhar um argumento intelectual insinuando: “Mas as pessoas não vão gostar de você!”

Estritamente falando, um metafísico social não percebe a sua argumentação em termos conscientes: ele acha isso “instintivamente”, pela introspecção, uma vez que representa a sua forma psico-epistemológica de vida. Todos nós já encontramos o tipo irritante de pessoa que não escuta o que alguém diz, mas às vibrações emocionais da voz do outro, ansiosamente traduzindo-os em aprovação ou reprovação para, em seguida, responder de acordo. Esta é uma espécie de argumentação auto-imposta através da intimidação, à qual um metafísico social se rende na maioria dos seus encontros humanos. E assim, quando ele encontra um adversário, quando suas premissas são contestadas, ele recorre automaticamente à arma que o assusta mais: a retirada da sua aprovação moral.

Uma vez que esse tipo de terror psicológico é desconhecido para homens saudáveis, isso pode ser considerado como argumentação através da intimidação, precisamente por causa da sua inocência. Sem entender o motivo da argumentação ou para acreditar que ele é apenas um blefe sem sentido, eles assumem que seu usuário tem algum tipo de conhecimento ou razões para apoiar suas afirmações aparentemente auto-confiantes, beligerantes, dando-lhe o benefício da dúvida – e são deixados em confusão perplexa. É assim que os metafísicos social vitimizam os jovens, os inocentes, a consciência.
Isto é particularmente prevalente nas salas de aula da faculdade. Muitos professores usam a argumentação através da intimidação para abafar o pensamento independente entre os estudantes, para fugir a perguntas que não conseguem responder, para desencorajar qualquer análise crítica de seus premissas arbitrárias ou qualquer desvio do status quo intelectual.

“Aristóteles? Meu querido companheiro” (um suspiro cansado) “Se você tivesse lido o trabalho do Professor Spiffkin” (respeitosamente) “da edição de janeiro de 1912 da revista Intellect, que” (com desdém) “obviamente você não leu, saberia” (levianamente) “que Aristóteles foi refutado.”

“Professor X?” (sendo X o nome de um distinto teórico de economia de livre empresa) “Você está citando o Professor X? Oh não, fala sério!” – seguido de uma risada sarcástica com a intenção de transmitir que o Professor X foi completamente desacreditado. (Por quem? Fim da discussão.)

Esses professores são freqüentemente assistidos pela brigada dos capangas dos “liberais” da sala de aula, que explodem em gargalhadas em momentos apropriados.
Em nossa vida política, a argumentação através da intimidação é o método quase exclusivo de discussão. Predominantemente, os debates políticos de hoje consistem de manchas e desculpas, ou intimidação e apaziguamento. O primeiro é geralmente (mas não exclusivamente) praticada pelos “liberais”, o segundo pelos “conservadores”. Os campeões, neste contexto, são os “liberais” republicanos que praticam ambas: a primeira, em relação a seus companheiros “conservadores” republicanos, a segunda, aos democratas.

Todas as manchas são argumentos de intimidação: eles consistem de afirmações depreciativas, sem qualquer indício ou prova, oferecidos como substitutos das evidências ou provas, visando à covardia moral ou credulidade impensada dos ouvintes.
A argumentação através da intimidação não é nova, tem sido utilizada em todas as idades e culturas, mas raramente em escala tão ampla quanto hoje. Ela é usada mais cruamente na política do que em outros campos de atividade, mas não se limita à política. Ela permeia toda a nossa cultura. É um sintoma de falência cultural.
Como é que alguém pode resistir a esse argumento? Existe apenas uma arma contra ela: a certeza moral.
Quando se entra em qualquer batalha intelectual, grande ou pequena, pública ou privada, não se pode buscar, desejar ou esperar aprovação do inimigo. Verdade ou mentira deve ser a preocupação exclusiva e o critério de julgamento – não a aprovação ou desaprovação de qualquer pessoa e, acima de tudo, não a aprovação dessas cujos padrões são o oposto do seu próprio. (obs: já viram aquelas argumentações que começam “Eu respeito muito você, mas …” – claramente buscando uma aprovação).
Deixe-me enfatizar que o argumento da intimidação não consiste em colocar julgamento moral em questões intelectuais, mas de substituir o julgamento moral pelo argumento intelectual. Avaliações morais estão implícitas na maioria das questões intelectuais; não é meramente permitido, mas obrigatório colocar um juízo moral quando e onde necessário; suprimir tal julgamento é um ato de covardia moral. Mas um julgamento moral deve sempre seguir e jamais anteceder (ou substituir), as razões em que se baseia.

Quando se dá razões para um veredito, se assume a responsabilidade por ele e coloca-se à disposição ao julgamento objetivo: se suas razões são erradas ou falsas, sofre-se as conseqüências. Mas, condenar sem fundamentação é um ato de irresponsabilidade, uma espécie de atropelamento e fuga moral, que é a essência da argumentação através da intimidação.
Observa-se que os homens que usam esse argumento são os que temem um ataque moral fundamentado mais do que qualquer outro tipo de batalha, e quando encontram um adversário confiante moralmente, eles são os mais altos em protestar que “moralização” deve ser mantida fora das discussões intelectuais. Mas, discutir o mal de uma forma que implica a neutralidade, é uma forma de aprová-la.

A argumentação através da intimidação ilustra porque é importante ter certeza das próprias premissas e da própria fundação moral. Ele ilustra o tipo de armadilha intelectual que aguarda aqueles que se aventuram sem uma análise completa, clara e consistente das próprias convicções, totalmente integrada até os fundamentos – aqueles que de forma imprudente pulam para a batalha, armados apenas com algumas noções flutuantes aleatórias em uma névoa do desconhecido, do não identificado, do indefinido, do não provado, e apoiado por nada além de seus sentimentos, esperanças e medos. A argumentação através da intimidação é seu maior inimigo. Em questões morais e intelectuais, não é suficiente estar certo: é necessário saber que está certo.

por Ayn Rand – último capítulo de “The Virtue of Selfishness”, 1964

13 novembro 2009

Prosépio - O Fumante Invertebrado



Dizem que uma das lendas gregas antigas se perdeu no tempo, esquecida e descuidada por milhares de anos, é a história do belo Prosépio, irmão de Quelônio (e seus derivados).

Morador de Creta, Prosépio quando moço descobriu que, dos altos montes do Tibet, havia chego há muito tempo atrás uma certa especiaria que, quando queimada e inalada, produzia um leve torpor. Gostando do efeito da flor, que já havia se espalhado por algumas partes dos arredores da cidade, se aperfeiçoou na arte de encontrá-la em meio à natureza, e secava quantidades suficientes até mesmo para guardar para o inverno todo.

Certo dia estava Prosépio em meio a uma grande fogueira com seu amigo Pigmalião (o escultor de Galatéia, a estátua viva) jogando grandes folhas de sua iguaria, que virara um vício, na fogueira. Estava bem em frente à fumaça e inalando com força.

Descuidadamente, Vênus, que achara Prosépio de certa feita muito atraente, chegou perto a fogueira. Sem reconhecer a Deusa, ofereceu a ela um respiro de seu refresco fuliginoso.

Inocentemente Vênus respirou, e rompeu-se um véu entre seu pensamento e sua alma por alguns instantes. Voltando ao Olimpo, correu contar a Juno, esposa de Júpiter a façanha, dizendo querer voltar à Terra para mais visitas a Prosépio e suas fogueiras.

Juno, vingativa e nada adepta dos terrenos, ciente do risco que tal atitude traria para o Olimpo e toda a organização dos deuses perante os mortais, foi fazer uma visita a Prosépio.

- Ei, você na fogueira!
- Pois não... - responde inocentemente prosépio. Mas com consciência de sua malícia, continua - Quer respirar da minha fogueira?

Furiosa com a impressão que tal flor criara em sua amiga, e receosa de também gostar de seus encantos, Juno lançou sobre ele uma maldição:

- Por ser tão insolente, e iniciar propositadamente outros em seu vício, terás que sempre respirar fumaça!

Em um passe, mandou Prosépio para os reinos de Plutão.

Colocou-o rente a uma enorme chaminé que aquecia um forno que sempre ardia, na forma de uma minhoca com uma boca grande, que podia respirar e soprar a fumaça (tudo o que tinha na frente), para todo o sempre, alimentando o forno de Plutão, que ficou muito satisfeito com o novo mascote.

Essa é a história de Prosépio, que ainda hoje trabalha para o senhor dos subterrâneos, com algumas folgas aonde inflinge seu poder sobre os mortais, para que possam levar pra lá, quem sabe, escondido do barqueiro do rio Aqueronte, que corta o inferno, um pouco de sua flor pra ele jogar na fogueira e respirar a fumaça...

07 novembro 2009

O Caminho

Não tem muito o que falar...

caminho

PARTE I - A VERDADE

O peso que nós humanos colocamos no mundo se tornou opressor, a nós e ao mundo.
A vida de nosso próprio planeta colocamos em jogo...
e não são pelas necessidades, mas pelos interesses.
É pelo luxo, pelo excesso, pelo desnecessário.

A economia da natureza não permite extravagâncias eternas.

Nossa dissipação de energia com futilidades que não favorecem muitas vezes nem a nós mesmos nos causa de tudo, a cada um, um mal. As mentes presas à grande ilusão de Maya se reviram e se consomem umas às outras, escravizando ao invés de libertar, destruindo e criando com praticamente o exclusivo critério da riqueza material.

O ouro dos tolos também pode ser o ouro de verdade.
A grande conquista do dinheiro sobre a humanidade.

caminho

PARTE II - A LIBERTAÇÃO

Nessa nossa espaçonave bem guiada em sua rota sideral, apresenta a cada volta que dá um novo dia. Para cada um, um dia. E no final muitos dias, interligados. O dia de cada pessoa é infinitamente tão real quanto todos os outros.

E morremos um dia. Nossa eterna preocupação material deve então ser somente com nossa sobrevivência? Neste momento derradeiro de mudança, tanto aos ateus em que tudo termina em nada, quanto aos que transitam em consciência para a outra dimensão.

Mas na verdade vivemos aflitos muitas vezes não pela nossa vida material, mas pela nossa falta de vida verdadeira, vida serena, aonde sabemos que nosso objetivo está em nós. Estamos livres do mundo.

Nada do que pensam de nós importa.
O que falam de nós ainda pode atrapalhar um pouco.
Mas o que pensam de nós, caso não estejamos afinados com esse sentimento, não nos aflige.

Foda-se o mundo dos homens. Trabalhar também. Mas nada disso que nos mostram é real. Somos todos uma raça só, consciente de cada passo que dá no planeta, muitas vezes que venha essa consciência de uma sonolência espiritual quase insconsciente...

Os objetivos humanos são legais, casa carro e um trabalho. São necessários. Mas a parte circense, o circo de vidas trágicas, mentes cheias de pensamentos aflitos e corações desesperados, isso é criado por nós mesmos. Matemos esse mundo.

caminho

PARTE III - A VERDADE

Com várias citações clássicas sobre a verdade, o que ela representa significa apenas uma coisa: a verdade é buscada individualmente, apesar de ser a mesma para todos. Como cada um opta por viver com sua mente em qualquer mundo que deseje, alguns preferem mentalmente criar coisas, situações e criam filmes mentais à vontade de tudo que seja desejo. O fato é que quando buscamos realmente quem somos e o que fazemos, podemos fazer tudo o que fazíamos quando vivíamos de mentira, mas as coisas mudam de figura. O nosso objetivo está em nós, quem somos, o que sabemos, o que fazemos, no que acreditamos, o que realizamos. Isso tudo começa, é claro, no que pensamos. Pensar é o primeiro ato. Quando esse ato se torna então eterno buscador do ser pensante que se oculta muito além de nós, a verdade lentamente começa a ser mostrada, em um processo aonde temos que desconstruir mundos mentais que criamos em muito tempo.

Mas se alguém falar o que é a verdade, já estará mentindo.
A verdade é uma busca eterna, e uma descoberta infinita. Fractal.

(Compre no dealextreme um microscópio de superfície 60 a 100x e descubra que em uma poeira de sua mesa existe na verdade uma pequena réplica de um meteorito, de uma corda ou outra forma qualquer, e que em cada vida existe uma máquina gigantesca. A nanotecnologia que existe envolvida nas construções da natureza são absurdas. Redes neurais de insetos que ocupam quase nada de espaço, mas contém todo o programa de vôo, alimentação, sobrevivência e evolução daquele ser. Juntamente com o DNA, presente aliás aos bilhões nesses insetos e aos trilhões em humanos, que contém uma informação de engenharia de proteínas, substâncias, células e do ser como um todo. Mas esses não dá pra ver no microscópio de plástico chinês acima. Ele custa R$20,00 aproximadamente com frete grátis para todo o mundo. Vale cada centavo de metal.)

caminho

PARTE IV - A descoberta

Aí nos vemos com nós mesmos.

Em um momento que não termina.

E nossos corpos envelhecem.

Mas nossa alma fica cada dia mais viva.

E o mundo nos puxa pra baixo em constante provação. Picuinhas da vida que esvanecem pelos cantos. Mas com uma coisa de cada vez, vamos nós mesmos de volta, no mesmo exato momento que tudo nunca termina. E nossos corpos continuam a envelhecer...

caminho

PARTE V - ???

e depois disso sei lá o que vem...


caminho

acho que cada um sabe a resposta pra si... sempre...

caminho

Charlatães os guias daqueles que não querem ser guiados... opressores da liberdade...
A Verdade a quem a Queira...

caminho

23 setembro 2009

Dia Mundial Sem Carro



Ontem, em comemoração ao Dia Mundial Sem Carro, bilhões de automóveis saíram às ruas! Aqui em Curitiba, com chuva e clima frio, a adesão foi quase zero, como é de se esperar...

Quem vai sair de bicicleta e arriscar ser atropelado nesse trânsito maluco? E ir de ônibus então, tendo outra alternativa? Doido quem pensa que isso vai dar certo.

Sem ciclovias?
Sem vias EXPRESSAS destinadas EXCLUSIVAMENTE a ciclistas, com semáforos etc...?
Sem transporte público decente?

hahahahaha!!

E enquanto enterram outro protótipo de mini carro elétrico, com metade do tamanho e muitas vezes mais economia que o a combustão, o Brasil quer liberar o Diesel pra qualquer automóvel...

e enfim, os grandes donos do petróleo (e dos bancos, financiadoras ... ) continuam faturando bilhões todos os dias extraindo o óleo debaixo da terra.

Quando, com tantos interesses em jogo, mudaremos o cenário?

Tomemos as atitudes, sim! Mas primeiro, pela infraestrutura, pela ruptura do ciclo de poder. Dia sem carro, em ônibus cheio e no frio, só quem precisa. O resto é pra Inglês ver.

14 setembro 2009

Quem controla o mundo?



"Lamentavelmente a tendência da nossa sociedade é dramaticamente negativa e nos nossos dias a degeneração é a verdadeira protagonista. A pergunta que vale a pena fazer é: mas há quem fomente estas coisas, existe um denominador comum detrás de tudo isto, alguém que tire proveito?

Só a verdade nos pode fazer livres, livres de compreender e, por conseguinte, de reagir. Assim, a pergunta que devemos fazer é: conhecemos a verdade? Conhecemos realmente o que se esconde detrás do amadurecer de todos estes fenômenos? É certo que os meios de comunicação, os políticos, os sociólogos nos ‘massacram’ com as suas interpretações, mas podemos confiar neles?

...

Ditos "Os iluminados", são os portadores da luz, os que sabem. Pertencem a treze famílias das mais ricas do mundo e são as personagens que verdadeiramente governam o mundo por detrás dos bastidores. São chamados também a Nobreza Negra, os Decisions Makers (artífices de decisões), que criam as normas a seguir por governos e presidentes. A sua característica é a de estar ocultos aos olhos do público. A sua árvore genealógica remonta a milhares de anos e estão muito atentos para manter o seu laço de sangue de geração em geração sem o interromper.

O seu poder reside no oculto e na economia; um dos seus ditos é: “o dinheiro cria poder”. Possuem todas as bancas internacionais, o setor petrolífero e todos os setores industriais e comerciais mais poderosos; mas sobretudo estão infiltrados na política e mandam na maior parte dos governos e dos organismos supranacionais; em primeiro lugar na ONU e detém o Fundo Monetário Internacional.

...

O objetivo? Criar um único Governo Mundial e uma Nova Ordem Mundial, com um chefe entre eles para submeter o mundo a uma nova escravidão, não física, mas ‘espiritual’ e afirmar o seu credo: a ideologia do $$ DINHEIRO $$. "

preciso dar uma pausa para notar: o dinheiro é deles, e não seu. Os índices de desemprego valem pra nós, mas não pra eles. Para eles, essas pessoas desempregadas são reserva de mercado, mantém o preço de mão de obra mais baixo. E claro, com petróleo a R$100,00 o barril, quem vai ficar rico? E quem vai ficar desempregado com "a crise"? E quem vai ganhar dinheiro com a crise?? E quem, mais ainda, depois da crise com dinheiro e economia devagar, vai contratar mão de obra mais barata??

mas chega da minha opinião! Continuemos:

"Este objectivo não pode ser conseguido no espaço de uma vida; as suas origens são antigas e remontam-se até 1700 quando o complô foi formalizado, com a elaboração de verdadeiros e próprios documentos programáticos.

Na primeira metade de 1700, o encontro entre os Grupo dos Sábios de Sião e Mayer Amschel Rothschild, o hábil fundador da famosa dinastia que hoje controla o Sistema Bancário Internacional, levou à redação de um manifesto: “Os Protocolos dos Sábios de Sião”. Em 24 parágrafos é descrito como subjugar o mundo com a ajuda de um sistema econômico. Foi também M. A. Rothschild quem ajudou e financiou o hebreu Adam Weishaupt, um ex-sacerdote jesuíta, que em Frankfurt criou um grupo secreto com o nome de os “Iluminados da Baviera”.

...

PESQUISE sobre O Grupo Bilderberg

PRA QUE SERVE A ONU?

"Para que serve este mastodôntico edifício onde prospera uma vida cómoda e onde os complôs internacionais se consumam de dia e de noite? Todos acomodados no Palácio de Vidro e todos com cômodas poltronas e ótimas remunerações. Não é assim?

Vetos à direita, vetos à esquerda?

O mais forte prevalece sobre o débil e sobre aqueles que só podem ‘palrar’ sem poder fazer prevalecer uma causa justa. Basta um veto e tudo termina.

As guerras continuam. As violações prosseguem e os mortos somam-se vertiginosamente. E então...? Para que serve a ONU?

Que utilidade tiram os povos deste “palácio” onde as intrigas políticas fermentam, para que um povo continue sendo inimigo de outro povo?

E os atropelos, as violações diplomáticas, onde a pomos: dentro ou fora?

Para que serve a ONU?"

(Escrito a 9 de Junho de 1982 - Eugénio Siragusa)

11 setembro 2009

Alguma Coisa Está Fora da Nova Ordem Mundial



Ordem e Progresso!

Ordem para que obedeçamos mansamente a todas as ordens.

Progresso para que os dominadores dos meios de produção, meios de comunicação e das terras possam ficar cada vez mais ricos e com mais bens.

Crentes de que tudo isso que experimentam é real, os ricos não podem de maneira alguma sentir Deus, pois simplesmente pelo fato de estarem aonde estão já implica em muitos milhares de pessoas se sacrificando em trabalhos escravizadores para geração de tanta riqueza. Podem fazer filantropia do Ego.

Porque não perdoam dívidas dos países pobres?

PORQUE O DEUS DO MUNDO É O DINHEIRO.
PORQUE O DEUS DO MUNDO É O PODER.
PORQUE O DEUS DO MUNDO É A GANÂNCIA.

E DEUS ASSIM NÃO É PAI.

E DEUS ASSIM NÃO É UM.



Porque as terras já tem dono.
Porque os supermercados do mundo já tem dono.
Porque os bancos do mundo já tem dono.

E são poucos.

E somos doutrinados desde pequenos a acreditar que tudo isso é real.
E se diferimos, reprovamos, ficamos pra trás, pra evitar cada vez mais que possamos chegar em posições perigosas na sociedade.

Trabalhando por dinheiro,
acreditando no dinheiro,
dinheiro que já tem dono,
e não é nosso.

Matando cada espécie de animal no planeta,
matando cada mar e cada rio com veneno,
matando cada pessoa com mais trabalho e trabalho, e notícias ruins para causarem medo, e mais medo, e um tanto de oferta de diversão...
E matando sem dó, porque são donos de tudo.

Donos da televisão, que nos diz "o que acontece" no mundo...
Donos dos repórteres, que mesmo sem saberem, sem pesquisarem, repetem e repetem e repetem a informação que vem "de cima", que pra quem serve ao deus do mundo é somente uma maneira de identificar quem está no topo da pirâmide.

Iludidos...
infelizes que somos em nossas escolhas, cozendo em banho maria enquanto morremos sufocados por um sistema que nos oprime, nos divide em categorias e empregos que só servem a um propósito:

ENRIQUECER OS RICOS, E FAZER COM QUE FIQUEM MAIS RICOS.
Cada vez com mais poder.
Cada vez com maior capacidade de destruição e manipulação do mundo.

UNI-VOS! (KIDS ARE UNITED - THEY WILL NEVER BE DIVIDED!)
Não há como separar a consciência daquilo que já era antes mesmo do mal existir.

Não há como deixar cego e oprimir ilimitadamente, pois há um limite bem definido em toda a criação. E nada do que está no mundo realmente pertence à humanidade.

Trite fim de morte que traçamos, e ainda em tempo, veremos não o fim, mas o alvorecer de uma nova realidade. Nada há o que temer de desabar nosso sistema social. Não temos nada a perder, exceto nossos bens...

Mas nunca nossas benesses!

10 setembro 2009

The Trip

Nada como sair da toca de vez em quando... Organização iniciada pela VikingTour com Mirian e Limao, e o plano foi fazer um XIS entre BR116 e BR376 pelo meio dos cânions! ... Rever os amigos, pegar uma estradinha, esquecer do mundo escravo e manipulado que vivemos.

Destino: Casamento do Mou (O beijo vimos só na Internet)

Dia 05/09

Saída com a galera do Jardim Botânico, paradas diversas pra conversa, suquinho, fumaça aos fumantes... estrada, mais paradas, abastecimento, pedágio, pedágio, pedágio, cidade de Vacaria, estrada... uma estrada menor... outra menor ainda...

e Muito rally na estradinha que acabou (dizia o Google que tinha estrada lá) e não tinha... Passamos na frente do Itaimbezinho! Mas de noite, com neblina que não dava pra ver cinco metros na frente, nem a estrada dava pra enxergar direito!!

Sono total e irrestrito após 50km de pedra e terra em Praia Grande-SC (que não é praia e fica mais no Rio Grande do Sul que grande parte desse estado)

Dia 06/09

Noite seguinte: POA! Hotel Royal,
Casamento do Mou, festa lindíssima, com direito a show do Bidê ou Balde (um pusta show!), review dos amigos incluindo o Mou e o Lova, muita conversa, vinho delicioso e comida boa.

muuito sono livre!

Dia 07/09

Deixar a viola do Mou na casa dos pais dele,
receber a ligação emocionada do Mou feliz enquanto saíamos de Porto Alegre pela autoban!!! um sorriso no coração...

A volta, até São Joaquim para dormirmos no Snow Valley, foi pela Serra do Rio do Rastro. Linda de morrer, foto abaixo...

O time: Paulinha, Paul, Lilian, Limão, Mirian, Lindsey e Eu!

Depois de uma subida muito susse, e a neblina descendo, chegamos! Em Snow Valley!
Um rango delicioso e uma noite de risadas pra, na terça...

Dia 08/09

Eu quase esquecer de dar parabéns pra Lindsey do aniversário dela antes que ela me contasse. no café um parabéns, a despedida da Nave Viking e...

1736 km depois...

Curitiba :(
Curichuva :(
Trabalhar... :/

mas estamos aí!

Fé em Deus e Pé na Tábua!
e dois sorrisos no coração!

Baixar Videos do Youtube



Hj descobri que a maioria dos navegadores pode usar JavaScript para baixar vídeos do YouTube! SEM INSTALAR NADA (exceto Java)!

basta adicionar um favorito com o nome, por exemplo, "Baixar Video do YouTube",
na URL, cola o código:

javascript:window.location.href = 'http://youtube.com/get_video?video_id=' + swfArgs['video_id']+ "&l=" + swfArgs['l'] + "&sk=" + swfArgs['sk'] + '&fmt_map' + swfArgs['fmt_map'] + '&t=' + swfArgs['t'];

e deixa a barra de favoritos sempre visível. Ao entrar na página do youtube com o vídeo que quer gravar, clique no link!!

SENSACIONAL!!

:)

11 agosto 2009



O que é o que é?

Um livro escrito com 4 letras,
utilizando nanotecnologia para o armazenamento,
acoplamento magnético para cópia e armazenagem,
um código transcendentalmente alienígena com palavras de diferentes tamanhos,
unidas em conjunto,
um segredo escondido,
muito distante dos humanos!

Nada sabemos...

Há um quatrilhão de trilhões de coisas há mais entre o céu e a terra,
que sequer sonha nossa pobre consciência,
quanto mais nossa vã filosofia...

e a gente se matando de trabalhar e estudar, e fazer tudo isso...
pra não saber nada do mesmo jeito...

06 agosto 2009

Tamiflu

e mal pagos nesse mundo doente de gripe e da cabeça!

01 agosto 2009

Tão Triste Por Nós



Com ou sem gripe...
acabamos com uma espécie de animal a cada 18 minutos...

Milhares de animais em extinção caçados (e vendido$) e normalmente vendedores famintos que caçam desempregados, e compradores de países ricos de peles...

Floresta virando plantação de cana e de criação de gado...

E cidades... e mais cidades... e mais cidades...
e gente... e mais gente... e mais gente...
e quanta dessa gente completamente perdida pelo mundo!!

Devaneando sobre as coisas, essa semana tive um problema de saúde...
Fui ao médico para ver se ele podia me dar mais informações.

- Claro, antes de ir consultei meu médico de confiança: Dr Google!

e fui. consulta marcada pras 9h50. Coloquei o carro na rua com o cartão de estacionamento as 9h45, escrevendo no estar 9h50 pra já ganhar uns minutinhos.

Cheguei no consultório pontualmente 9h50.

- Pegue uma senha senhor.

Fui atendido pela moça da recepção 10h20. Pensei, já era. Vai vencer o Estar e eu na sala de espera. Mas logo fui encaminhado, pouco depois chegou o Dr. SacaTripas. Me atendeu as 10h37. 13 minutos pra vencer o Estar. Mas a consulta foi rápida. Perguntas sobre minhas atividades físicas, hábitos alimentares, sono? Nenhuma. Perguntou do convênio e se eu trabalhava na empresa conveniada.

- Trabalho não. Pago mensalidade pra ficar lá.
- Pode ficar internado?

O QUE? FICAR INTERNADO?

- Por que Dr?
- Acho que uma cirurgia pode resolver o problema.

"O Q?"

- Não posso.
- No sábado podemos fazer um procedimento simples para resolver.
- Vou ver.

Resultado:
O Dr SacaTripas queria me arrancar uma cirurgia, e de tudo que eu tinha lido no Google dizia que a cirurgia era último caso. Certos cuidados poderiam me ajudar muito mais.

Me ligou na sexta pra perguntar.
- "Não liberei a guia, Dr."
- A gente libera daqui.
- Vou deixar pra ver com calma, agendar semana que vem.
- Depois não precisa. Quando tiver crise volta lá no consultório.

O QUE? DEPOIS DE TUDO ELE AVISA QUE NÃO IA PRECISAR?

Volto o cacete!
Carniceiro Açogueiro da porra!

Lendo o Livro do Vôo da Cura, do médico homeopata Mauro Press, vejo como esses Drs estão atrasados...

ele que vá botar aparelhos e bisturi nos amigos e família dele!

"Qual seu plano?" a pergunta, sem outras sobre mim ou o que poderia ter desencadeado a crise... Na cara dura.



Não tenho mais esperança muito na humanidade não...

Pulgas do planeta terra, sugando o sangue (poluíndo a água, sujando os mares), matando os ossos (cortando as montanhas, explorando exaustivamente os minérios e o petróleo), os pulmões e pele (que são interligados na acupuntura e medicina oriental) assim como as árvores, algas e florestas do planeta... sendo morta lentamente em seu ciclo...

Peixes sendo caçados a ritmo absurdo... Ficam menores a cada ano, em todo o mundo, e ninguém vê.

Baleias, macacos, tigres, podem ser contados em no máximo alguns poucos milhões, e em média centenas de milhares de animais pelo mundo.... e cada vez menos...

Para nosso conforto...

Para nosso lazer...

Para nosso trabalho...

Para nosso consumo...

Para os ricos ficarem mais ricos...

Para os pobres ficarem mais pobres...

Para alguns poucos que tem oportunidade de estarem no poder ou com dinheiro se aliarem ao mal e à criação da miséria, guerra e fome, em prol de poderem controlar os meios de produção que sustentam todo o mal que criaram....

E de poucos desses ricos e poderosos ainda lutarem, mostrando o "lado da força" que estão... "Espada de luz é para a luz. Quem luta com ódio não consegue combater o ódio, pois usa a espada do inimigo. Só se ganha com sua própria arma." Aramsati.

Paciência.

Paciência.

Paciência.

...

Discrição.

e

Prudência.

Prudência.

Prudência.

O mundo é maluco mesmo. E há algum tempo imaginávamos que poderíamos mudar tudo.
Rio 92.
Eco 92.

E aí estamos.
Como nunca.
Como sempre.

E vamos assim...
até o fim...

(que independente de quando for, cada dia tá mais aí)

17 julho 2009

Sugestões

Do Blog do Bamban uma excelente coleção de remixagens do Bob Dylan, incluindo uma versão de Where Is My Mind do Pixies!

Outra sugestão é o Explique essa imagem! , diretamente do Campo de Centeio da Helzinha! (junto com a canção da morte e outros posts!)

BUENAS!

16 julho 2009

Triunfador



Triunfador

"Não escute o medíocre que diz:
você não pode!

Não escute o covarde que diz:
não se arrisque!

Não escute o desconfiado que diz:
não creia!

Não escute os ociosos que dizem:
não trabalhe!

Nem escute o fracassado que diz:
não tente!

Escute apenas os valentes que lhe dizem:
não se renda!

Escute o inteligente,
que convida a usar a mente.

Escute os entusiastas
que animam e dão alento.

Os grandes triunfadores,
que sonham com o impossível.

Escute os que conhecem
o caminho da vitória.

E estes construirão
mundos, imprérios,
galáxias, sóis.

Então encontrará
o maior tesouro que há na vida:
a verdadeira liberdade.

A consciência de quem você é:
um ser total,
sem fronteiras,
sem limites,
sem miséria!"

Suryavan Xolhar, citado no livro "Vôo Para a Cura" de Mauro Press

13 julho 2009

Casamento Bipolar

Eu (...), recebo-te por minha esposa
a ti (...), e prometo ser-te fiel,
amar-te e respeitar-te,
na alegria e na tristeza,
na alegria e na tristeza,
na alegria e na tristeza,
na alegria e na tristeza,
na alegria e na tristeza,
na alegria e na tristeza,
na alegria e na tristeza,
na saúde e na doença,
todos os dias da nossa vida
(até que a morte nos separe)

10 julho 2009

Natureza



Tentamos vencer a natureza,
mas a natureza tem leis rígidas...

Nosso DNA, nosso programa...
Somos um código fonte altamente evoluído...

Nada nos consola, não há bits nem bytes nem dinheiro que nos dê paz,
assim como a natureza...

E nossa natureza, tão apegada nossa vida, é a nossa morte...
assim passa a vida

06 julho 2009

1 em cada 66 humanos passa fome no triste planeta azul



1 em cada 66,666 passa fome no planeta azul,
1 em cada 5,8 é extremamente pobre...
planeta de tantas riquezas,
tão desiguais,
tão disputadas...
tão egoísta...

se fosse do interesse, não teríamos progredido?
"ó mundo tão desigual... tudo é tão desigual..."



GENEBRA (Reuters) - A recessão econômica reverteu 20 anos de declínio da pobreza mundial e deve colocar em 2009 mais 90 milhões de pessoas no ranking dos que passam fome no planeta, um aumento de seis por cento em relação aos dados atuais, informou a ONU nesta segunda-feira.

A estimativa, apresentada num relatório sombrio sobre um programa desenvolvido há dez anos pela ONU para conduzir países pobres ao desenvolvimento até 2015, indica que 17 por cento dos 6,8 bilhões de habitantes do mundo estarão classificados como extremamente pobres no fim de 2009.

"Em 2009, entre 55 a 90 milhões de pessoas a mais do que o previsto antes da crise estarão vivendo em extrema pobreza", diz o relatório, apresentado em Genebra pelo secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon.

Intitulado "Relatório de Metas de Desenvolvimento do Milênio", o documento também alerta que o recente declínio na ajuda externa -- apesar das promessas de países ricos de aumentar o fluxo de recursos -- provavelmente vai causar mais doenças e agitação social no hemisfério sul.

Em um discurso no Conselho Econômico e Social da ONU (Ecosoc, na sigla em inglês), Ban fez um apelo às nações industrializadas do Grupo dos Oito para que aumentem a ajuda, especialmente para a África, no próximo ano, dizendo que as promessas feitas por eles anteriormente ficaram aquém do anunciado.

"Faço um chamado ao G8 para explicitar, país por país, como os doadores ampliarão a ajuda à África no próximo ano", disse Ban em um discurso voltado para o encontro do G8 entre 8 e 10 de julho, em Aquila, cidade no centro da Itália, do qual ele participará.

"A credibilidade do sistema internacional depende de quanto os doadores aportarão", acrescentou. "A decência humana e a solidariedade mundial exige que nos unamos pelos pobres e os mais vulneráveis entre nós", afirmou Ban, em outra reunião, mais tarde.

Em uma cúpula na Escócia, em 2005, líderes do G8 prometeram elevar a assistência aos países em desenvolvimento a cerca de 50 bilhões de dólares até 2010, da qual metade iria para a África. Mas a ajuda continuou sendo de pelo menos 20 bilhões de dólares a menos do que a meta fixada em Gleneagles, na Escócia, disse ele.

Os recursos poderiam ajudar a mudar muitas vidas, mas o atraso na entrega combinado às mudanças climáticas e à crise financeira estão reduzindo o progresso nos países pobres, afirmou Ban no início de três semanas de reuniões do Ecosoc, em Genebra.

As pessoas que vivem na pobreza -- definida pela ONU como as que têm rendimentos de menos de 1,25 dólares por dia - já sofreram bastante com a crise financeira e econômica nos últimos dois anos.

De acordo com dados da ONU, em 1990 a proporção de pessoas que passavam fome era de 20 por cento da população mundial, mas em 2005 caíra para 16 por cento -- número que refletiu o aumento da prosperidade, especialmente na Ásia, estimulada pela expansão do comércio mundial.

A reversão começou em 2008, em parte como consequência do aumento dos preços dos alimentos no mundo, diz o relatório. Embora o custo dos produtos básicos tenha voltado a cair por volta do fim do ano passado, isso não tornou os alimentos mais acessíveis para a maioria das pessoas no mundo.

http://noticias.br.msn.com/artigo.aspx?cp-documentid=20661020

04 julho 2009

Iludi-nos!



A ilusão não é algo novo.

Dez dias depois e não enterraram o Michael Jackson ainda, de tanto que ele vende. A manchete diz "Michael Jackson vende mais em um dia do que em onze anos" (quem caia na armadilha e entrava na notícia lia: "na Amazon" escrito em letras pequenas)

Nos vendem petiscos de fofoca de falsas vidas...

Os cães ladram,
e a caravana passa...

com vidas escorrendo pelos dedos...

27 junho 2009



Taí o tipo de gente que eu gosto!
Uma caveira por dia!

Como diz um guru,
A gente tem que fazer, fazer, fazer, fazer e fazer. E só.

23 junho 2009

Processadores e o Arroz no Xadrez




"Quer Aprender Sobre Magia e os Mistérios da Vida? Comece Estudando Matemática..."

Um Atari usa um processador de 8 bits (bem como o CP200 que meu vô me deu e me iniciou no mundo da informática!), assim ele sabe contar em "uma só palavra" 256 números (de 0 a 255), bem como o Nintendinho... Pra fazer mais cores, realizar mais contas ou com números maiores, tem que pensar um tempinho!

Já o Super-Nes, MegaDrive e os 80X86 de 16 bits sabem enxergar números de zero a 65535.

Os processadores Pentium de 32 bits sabem mostrar de uma só vez até o número 4 bilhões, 294 milhões, 967 mil 296.

As primeiras máquinas que podem registrar o valor de grãos de arroz da lenda do Xadrez, aliás cujo limite é exatamente esse número, são os processadores de 64 bits, que contam até 18.446.744.073.709.551.615. (18 quintilhões)

Depois que montam um processador com essa capacidade de processamento, a HP empacota eles com Windows 32 bits, emburrecendo-os! :)

A magia da vida se realiza na matemática.
A prova de que as Leis de Deus são imutáveis são óbvias olhando para a matemática.

Esta é uma das lendas sobre o surgimento do xadrez, mostrando um lado mais místico para o surgimento desse antigo e interessante jogo que fascina milhões de pessoas pelo mundo.

"Conta-se que o rajá indiano Balhait, entediado com jogos em que a sorte acabava prevalecendo sobre a perícia e a habilidade do jogador, pediu a um sábio de sua corte, chamado Sissa, que inventasse um jogo que valorizasse qualidades nobres, como a prudência, a diligência, a lucidez e a sabedoria, opondo-se às características de aleatoriedade e fatalidade observadas no nard (antigo jogo indiano com dados).

Passado algum tempo, Sissa se apresentou ao rajá com sua invenção. Tratava-se de um tabuleiro quadriculado, sobre o qual se movimentavam peças de diferentes formatos, correspondendo cada formato a um elemento do exército indiano: Carros (Bispos), Cavalos, Elefantes (Torres) e Soldados (Peões), além de um Rei e um vizir (Rainha). Sissa explicou que escolheu a guerra como tema porque é a guerra onde mais pesa a importância da decisão, da persistência, da ponderação, da sabedoria e da coragem.

O rajá ficou encantado com o jogo e concedeu a Sissa o direito a pedir o que quisesse como recompensa. Sissa tentou recusar a recompensa, pois a satisfação de ter criado o jogo, por si só, já lhe era gratificante. Mas o rajá insistiu tanto que Sissa concordou em fazer um pedido:

- Desejo, como recompensa, um tabuleiro de Xadrez cheio de grãos de trigo, sendo que a primeira casa deve ter um grão, a segunda deve ter dois, a terceira deve ter quatro, a quarta deve ter oito, e assim sucessivamente, dobrando o número de grãos na casa seguinte, até encher todas as casas do tabuleiro com o número de grãos correspondentes.

O rajá se recusou a satisfazer um pedido tão modesto, e tentou persuadir Sissa a escolher uma recompensa mais valiosa. No entanto, Sissa disse que para ele bastava que lhe fosse conferida aquela recompensa, e nada mais.

Diante disso, o rajá ordenou que lhe dessem um saco de trigo, julgando que nele haveria pagamento de sobra, mas Sissa se recusou a aceitá-lo. Disse que não queria nem um grão a mais nem a menos do que lhe cabia receber.

Foi só então que o rajá ordenou aos seus matemáticos que calculassem a quantia exata que deveria ser paga, e descobriu, para sua consternação, que todo o trigo da Índia não era suficiente, aliás, todo o trigo cultivado no mundo, durante dezenas de anos, não seria suficiente! A quantia era 264 - 1 grãos de trigo, que corresponde à soma da série:

1 + 2 + 4 + 8 + 16 + 32 + 64 + 128 + 256 + 512 + 1.024 + 2.048 + 4.096 + ... + 9.223.372.036.854.775.808, isto é, 18.446.744.073.709.551.615 grãos de trigo!

Para alívio do rajá, Sissa disse que já sabia que sua recompensa não poderia ser paga, pois aquela quantidade daria para cobrir toda a superfície da Índia com uma camada de quase uma polegada de espessura."

27 maio 2009

1% de extinção em 1 dia


Um tigre branco que foi tirado de seu habitat e preso em um zoológico foi assassinado hoje por ter matado seu tratador. O estresse da vida dele fora da selva além de evidente e criminoso já era uma aberração pelo simples fato de um dos únicos cento e vinte tigres brancos do mundo estar preso. Agora, devido ao incidente, mataram o bichano. Claro, como é que iam prender ele? Isso já tinham feito! Deram agora a pena de morte, que já estava de perpétua por ser pego sem documento na selva.

Só me consola que a vida do tigre branco está melhor assim.
Livre.

Estúpida raça humana pede seu fim.
Estúpida raça humana acha que é dona do mundo mesmo.

NUNCA teremos o Universo com um comportamento de serpente.
Somos traidores de nossos próprios irmãos, e a lenda de Caim e Abel se revela uma história de cada dia da humanidade.

Hipócrita, unilateral, desequilibrada, desigual, culpada, cega humanidade.

Suja de sangue até o último fio de cabelo.
Suja de miséria e riqueza. Suja de fome.

Humanidade sem sentido, vazia, correndo atrás do ouro que nunca deu alento às custas de suor e sangue, o diamante da vida que é consumida todos os dias por um sistema de opressão mascarada.

Derramando sangue sem parar.
Todo dia.
Sem parar...

Triste humanidade, alimentanto a própria fornalha que a consome (sem perceber?)...

E aos poucos que se ama fica o tostão que se deixa.
E aos muitos que se ama fica a eterna possibilidade de que realmente valhamos à pena.

A triste notícia se encontra (com leve deturpação em favor dos humanos) no site da folha.

18 maio 2009

Festinha de Sabadera

Sábado teve o festerê.

Quem estava lá, lá estava.
A quem não estava digo que foi muito bom!

Muita sonzera variada com banda real na ala da frente, com Pow no vocal e guitarra e baixo (na próxima ainda falta o Ozonic!), Ale dando uma palinha com a Cris na torcida, o Aurélio tocando um monte e dando uma aula particular para Henrique Ignazewisky, o pequeno Viking (que estava lá com Limão e Mirian, from the Vikings Family).

Momento final main stream com Bleed do Nirvana e Here Comes Your Man do Pixies! A esta altura quem não estava tocando ou cantando estava pulando! Sensacional!

Presença marcante da família Groo Silveira, com um presente de 40% de álcool que poderia ter feito a festa ir mais longe, coisa que não foi necesária!
:)

Nat e Tozatti também!

Marc Bullet, maluquete representando os Bêla, conseguiu arrancar um Lobão ao vivo!

Destaque total para o pogo da Lilian e da Paulinha, que também deram sua palinha, e a Su que ficou só no canto (tipo o Rafael)! Pelo jeito ficou meio braba pq disse que não recebeu convite, mas desde que saí do Orkut ficou difícil manter contato por email sem ser pela lista...

Na garagem a banda do Guitar Hero com Flazé, Bamban, WelSilva e Lufron, num nível MEDIUM/HARD/PROFI, o cachorro quente do Edilson (que depois ainda levou um vinho delicioso, o Nick e a Lari), supervisão geral com a Lindy (sensacional), Dona Lorena chegando de Fiat 147 com a Sueli, que cantou todas do Metalica.

As 22h30 a barulheira encerrou lá na frente com a Alessandra pedindo Welcome To The jungle do Guns e um sensato Aurélio perguntando "Os vizinhos não se incomodam?" Ops! Chegou a hora de parar!

Na garagem, a banda do Guitar Hero continuou até as 23h30 com promessas de novas reuniões nas duas frentes (Banda Free Style Real vs. Guitar Hero)

Resumo da ópera:
Diversão de monte, com muita gente fina e boas risadas! Mais uma pro arquivo nostalgia!

Tks Folks!

Agora é acordar cedo e voltar pra real...
mas com um sorrisão na mente!

Fotos Bizarras de Família



Algumas de mau gosto,
outras só engraçadas...

Todas enviadas e doadas voluntariamente ao site.
Vale à pena visitar.

http://awkwardfamilyphotos.com/

15 maio 2009

200


Ducentésimo post!

Que posso perceber além de que nossa vida é assim, também, composta de várias postagens.

Um dia depois do outro. Um dia diferente do outro, uma essência comum, porém a natureza diferente. Uma constância de estar aí, apesar de tudo.

Mas o que acho mais importante é a percepção de que nossa vida passa como as postagens, e é bom que possamos gostar da nossa vida. Se temos que trabalhar muito, que seja um trabalho que gostamos, se temos que comer pouco, que seja de comida saborosa, se temos que sofrer, que seja sem culpar a ninguém.

Quem é feliz é feliz com o que tem.

Quem é feliz é feliz com o que tem.

Porque quem é feliz é feliz com o que tem.

E é assim que é.

Nada temos, nada nos pertence, nossos carros estarão em carcaça e nossos corpos já terão virado pó. Até as sacolas que utilizamos no mercado ontem podem durar mais tempo neste planeta do que nós mesmo.

Que possamos ter a única coisa que temos:
A NOSSA VIDA.

Feliz. Amém.

11 maio 2009

Windows Seven



Depois de quase deixar pra lá e não instalar a versão beta do Windows Seven, embarquei na curiosidade e instalei-o. Pensei que ia ter a mesma experiência ou parecido com o Vista, que amava mastigar o HD, do jeitinho que só o Windows Vista sabe!

Para minha surpresa, com uma performance muito boa, talvez até melhor que a do XP, um consumo de recursos da máquina bastante reduzido (528MB de memória ocupados enquanto eu uso o messenger, o chrome e o paint). Uma carinha bonita como o Vista, além de um gerenciamento de energia (e consequente duração da bateria) muito bom. Até se parece mais com o KDE!

Não tenho dúvida: tem tudo pra fazer o que o Vista não fez: conquistar os consumidores do XP. Sem aceleração 3D pois o driver pra Intel 945G não saiu, apesar dos protestos no site da Intel (e do instalador ser tão chato que não deixa instalar os drivers do Vista no Seven) mas o note, um centrino 1.86GHz com 1.5GB de RAM e 100GB de disco ficou deliciosamente estiloso e rápido.

Para o nerds de plantão e curiosos:

Inscreva-se e baixe já sua versão do Seven que funcionará até o começo do ano que vem! Nem que seja pra instalar na máquina virtual dentro do seu Linux, ou no Bootcamp do seu Mac. Vale à pena brincar com ele.

:)

08 maio 2009

Nós, Poderosos Humanos!!



Nós, os poderosos humanos, achamos que somos donos do mundo.
Desse mundo, nossa nave espacial, planeta Terra, mãe Gaia, tão explorada por nós e que a bilhões de anos se adapta ao espaço e ao Sol. Que por centenas de milhões de anos alimentou todas as formas de vida (às vezes as alimentou uma com as outras é verdade, a natureza depende muito de si mesma).

e nós em centenas de milhares de anos chegamos aonde chegamos. e vamos pra onde vamos. a continuação de nosso percurso espacial, o infinito e eterno Universo, imensuravelmente maior que nossa própria imaginação.

Nós, os poderosos humanos, tomamos o planeta pra nós...
só não sabíamos que éramos crianças,
e hoje somos adolescentes rebeldes em busca de si,
perdidos por aí...

Nós, os humanos...

07 maio 2009

Going On (Keep It On)



Tentando ficar em paz comigo, conflito com o mundo.
Em minha mente as antagonias da realidade.
Em um fim, o começo. A vida me lembra de sua existência através da morte.
Tão cego sou, preciso de um lembrete senão durmo.

Em um toque a esperança, em um erro a ruína,
fortuna, fama, miséria,
agonia vespertina,
depressão, monotonia,
tristeza, vida vazia...

ouço no fundo
que o mundo vai acabar.
Nessa hora vou parar, e ver.

debaixo da voz do mundo,
um sussurro...
turvo pela química,
quantos erros tenho, e poucos acertos.
Escolho meus companheiros pelos olhos.
E canalizo minha fúria e maldade
em seres que mal conheço.

Quanta aflição e desolação e solidão,
em nome do progresso e civilização,
desde que comeram a maça, Eva e Adão.
Poesia ruim é comigo, Irmão.

02 maio 2009

Uma Historinha...



Acordou cedo, reclamando da vida. O mau-humor prevalecia, em um dia aonde trabalhar não fazia o menor sentido, ainda mais aquele trabalho. Estava o matando. Pegou o carro, um belo carro novo, e saiu em cima da hora. Mais cinco minutos pra sair e chegaria atrasado, e o chefe já não estava gostando da frequência dos atrasos. A vida estava insuportável, mas nada tinha feito ou planejava pra mudá-la.

As ruas estavam livres, semana entre natal e ano novo, muita gente tinha viajado. Ao começar a praguejar de novo lembrou da menina que fez a consciência pesar dois dólares.

Lembrou-se do ônibus que o levou uma vez pra cidade de Chichero. Pessoal de excursão, com dindin no bolso coisa e tal, e quando o ônibus parou uma visão incrível, como de toda a extensão das terras incas. Uma imensidão de montanhas e à frente, uma igreja. Como em todo templo inca, agora só restavam suas ruínas e uma igreja no lugar. Na época da inquisição destruiam tudo.

E uma porção de crianças vendendo coisas. Bolsas, luvas, camisas, mantas. Tudo. Uma porção. Uma tristeza. Pobreza. O lugar abandonado. "Compra, três dolares!", a outra "Compra esta, que bonita! Quatro dólares!" As respostas "não não depois agora não ah! olha que bonita! na volta a gente vê" e foi passear. O guia contou a história do lugar e da igreja, do que já tinha acontecido lá. A feira na porta mostrando do que mais vive, dum comércio que estava quieto. Na saída, todo mundo comprando. Era só tirar uma nota e vinham crianças com promoções, para todos. Viu uma menina que especialmente queria vender.

Ela fazia mais e mais promoções "duas por cinco!" mas ninguém levava. Quando todos estavam entrando no ônibus, ela falou prum tio "um dolar!" ele falou "levo". Ela olhou triste pro tio "dois dólar?" ele falou não e entrou no ônibus.

Lembrou-se que então o olhar da menina veio em sua direção, muito triste, e cansada, e disse "dois dólares?"... foi um tempo longo e a resposta veio firme "não obrigado"

de dentro do ônibus viu ela fazer ainda o sinal de um... um dólar pensou. devia ter comprado. por cinco. ela estava lá ainda quando pensou isso. Podia ter mudado tudo. Mas sentou-se e foi embora, com toda a excursão e comentários. Alguns sobre a pobreza, mas a maior parte sobre a história e a igreja e as coisas que baratas!

E a partir dali sua consciência começou a pesar dois dólares. Mas eram pesados e ficavam lá o tempo todo. Antes disso o peso era pequeno de outras coisas da vida. Mas esses dois pequenos dólares, que não iam faltar tanto assim, pesaram.

De breve teve que voltar. Por quê o cara da frente freiou? De Chinchero pra realidade em um décimo de segundo. Desviou do carro, praguejando contra o motorista que reduzia a velocidade bruscamente, e acelerou rápido pela pista da esquerda quando ouviu a buzina. Só deu pra ver o caminhão vindo e ...

Tinham reasfaltado a rua poucos dias antes, e as faixas de pedestre estavam apagadas. Não viu o sinal vermelho e passou batido no cruzamento.

Não viu o sinal vermelho e se foi...
com dois dólares de dívida na consciência...

30 abril 2009

Serenidade



“Uma das qualidades de uma mente serena é que ela não pensa muito. Isto porque ela é uma mente inocente. Ela pensa apenas o quanto for necessário. Uma mente serena pensará assim: OK, eu já pensei sobre isso então porque eu deveria pensar mais sobre isso? O silêncio dentro da serenidade é muito
poderoso. Ele cria espaço para honestidade. A verdade é muito simples.”

Mohini Panjabi, Serenity, Purity, November, 2001


Vamos fechar as janelas da nossa mente que não precisamos usar.
Computador com muito programa aberto fica lento e não funciona.

24 abril 2009

A Morte



A morte,
o fim (ou o começo, com sorte)
que tanto aflige até o grande (de porte)
e nos mostra quem realmente é forte.

Mas no mundo de cansaço e confusão,
à princípio sem saída ou solução,
a morte é nossa salvação,
um descanso da desolação...

Veni, Vidi, Morri

23 abril 2009

In Dividuo Em Divisão



Indivíduo, o indivisível, virou In Dividuo, o em divisão.

O homem, em sua luta pelo progresso, primeiro saiu da sua união com a Natureza e com o Universo.

Em seguida, rompeu com sua própria espécie, declarando inimigos entre os seus, e lutando contra seus próprios irmãos, no sentido biológico até.


Obviamente nunca encontrando paz em sua jornada, continuou buscando a paz pelo mundo. Em mais terras, em terras mais bonitas, em mais comida, em comida mais gostosa, em mais sexo, em sexo mais vazio, e em nada disso conseguiu encontrar paz maior do que o próprio tempo que se leva para "saborear" tais prazeres...

E continuou a peregrinar pelo mundo, criando seus filhos em sua própria mentalidade de dominar tudo: de que é Seu, do Homem, por direito, possuir a natureza. Mentira das mais óbvias e evidentes, já que a Natureza destrói quantos homens quiser. E o homem ao destruir a natureza destrói a si junto. Não tem como competir. Nós dependemos dela. Ela não depende de nós.

E caminhando pelo mundo ensinou a seus filhos que o mundo era deles. E ensinando a seus filhos, esses ensinaram aos seus, e assim, depois de tantas gerações, existiam muitas e muitas famílias que acreditavam que o mundo era seu. E desse seu mundo fizeram o que quiseram, e cá estamos.

Hoje nada muda. Vivemos entristecidos e deprimidos em uma sociedade que é uma máquina, máquina essa que nós mesmos construímos sem a preocupação de ajustá-la de acordo com regras justas e Universais, como o equilíbrio.

E a máquina agora funciona por si só, sugando almas e mentes para seu funcionamento, fazendo crer que esse trabalho resolve o problema. E resolve: resolve UM problema daquele que está trabalhando, que é $$. Mas nesse sistema, pensemos: se todos vivemos em um mundo único, e estamos todos juntos, poderíamos fazer com que tudo ficasse melhor uns pros outros, em coisas simples, em menos posses, em menos ganância. O que vemos apesar disso é o inverso: um ser que se degenera cada vez mais em seu poder sobre o meio.



Tirando petróleo contamina a água,
mas o óleo vale ouro.

Eu mesmo me vejo tão imerso em coisas que criei pra mim que pouco tempo tenho pra ver o mundo sem olhos presos, sem olhos turvos. Mas quando vejo me assusto de minha própria cegueira. Me assusto com meu mal, com minha ignorância, com minha espectativa de Poder e Ser que nada mais é que mais uma construção humana decaindo.

E agora, depois de tanto tempo acreditando na divisão, o homem chega na barreira final: mantando a si mesmo aos milhares, o mais triste nível atingido de divisão: a divisão de si mesmo. Suicídio, guerras, síndrome bipolar de humor (maníaco-depressão), risadas demasiadas vazias com um coração triste e só... Parece que o próprio homem agora crê que sua salvação está na própria destruição de sua espécie.

E chegando aqui, só temos uma saída, e ela não fica pra frente, nem pra trás, nem pra esquerda, nem pra direita, pois criamos um beco sem saída alguma.

A saída fica pra cima, em outro modelo, em outra realidade, em outro nível existencial, de consciência, de vida e de tudo.

Pouco tempo nos resta,
pouca vida nos resta,
no meio de muitos bens,
poucas benesses...

18 abril 2009

As Vezes só Vemos o Que Querem Que Vejamos

Este não é um post sobre mágica.
É um post sobre como nossa mente é enganada facilmente...
especialmente devido a nossas categorizações de cada coisa e padrão de pensamento sobre o que queremos ver...

só vemos o que queremos ver mesmo!

15 abril 2009

tanta gente sofrendo,
sem comida,
sem saúde,
ou sem casa,

e eu reclamando da vida! (ou melhor, de estarmos vivos sem saber)
tem gente que primeiro tem que sobreviver pra poder pensar....

A VIDA



Revolta! Puta que pariu estamos vivos!

E de vez em quando em algum final de semana a gente tira a roupa elegante e coloca um jeans velho, pra fazer um barulho e tirar as máscaras... quem sabe o som todo faz com que nossos pensamentos fiquem com um volume mais baixo na nossa mente?

Será que a gente pode recuperar a esperança no mundo e nas pessoas mesmo depois de encarar duas horas de trânsito todo dia? Teremos energia pra viver?

No que tornamos a realiade? Acordar? Todo mundo junto sair, ir trabalhar, almoçar todo mundo no mesmo horário, voltar todo mundo ao mesmo tempo pra casa, pra dormir, acordar...

E aí de vez em quando a gente acorda, percebe que a gente tava fazendo isso de trabalhar pra ter uma graninha pra passear, comprar umas cervejas de vez em quando e pagar a comida das crianças e do cachorro, colocar uma gasosa no tanque pra sair e pronto... Mas hoje a gente faz isso pra pagar as contas e trabalhar mais pra comprar mais coisa.

E as coisas da mente de cada um ficam no sótão das relações sociais.
Não se fala, não se menciona, os erros, o lado escuro, oculto, a mente, os pensamentos secretos... Nada existe do lado de cá do véu, aonde compramos.

No lado de cá do véu, aonde compramos e comemos e vivemos grande parte do tempo, parece que a vida é isso mesmo. Parece que somos só isso. Parece que temos mais é que "aproveitar a vida" mesmo...

aproveitar a vida... que é isso?

Que sabe o que quer pra si? E quem sabe ser feliz?

Quanto tempo teremos que fingir ser sérios e esquecemos que somos REAIS?
Quanto tempo esqueceremos de nós mesmos, do nosso poder como seres humanos, como co-criadores da realidade?
Quanto tempo faremos as coisas como se tivéssemos vindo dos macacos mesmo?

Só falta juntar a mente com o coração,
num sábado à tarde,
com as pessoas que a gente gosta,
e um violão...

09 abril 2009

A Verdade Está Lá Dentro

coracao desenhado na areia

No meio do fervo do São Paulo e Corínthians passando no jornal na TV, ouvi da carta que o São Paulo (que ficou cego por uns dias e teve uma revelação divina) escreveu para os Coríntios (que eu não sei se eles jogavam bola também) e que diz mais ou menos assim:

“Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três, porém o maior destes é o amor”.

E o Renato Russo escreveu a música Monte Castelo, porque essa parte da Bíblia fala umas coisas mais importantes, baseadas totalmente no fato de que aprender a amar é mais importante ou mais urgente do que qualquer outra coisa no mundo.

E essa parte fala também que vemos hoje uma parte, mas no perfeito vemos a face.

E é isso mesmo que falta,
e o texto, todo destruído do tempo,
reescrito traduzido e reimpresso em centenas de idiomas,
continua mais atual que nunca.
Sempre.

Paz de Espírito Não Tem Preço.

Apodrecendo por Dentro



Triste constatar tanto sofrimento,
gente trabalhando que nem robô,
sendo tratato como cachorro velho,
sem apoio, saúde, dinheiro ou mesmo alguém pra ouvir.

Tratar como querem ser tratados, amar como querem ser amados. Pouco sabem o tanto que falam, e as palavras todas já estão tão desgastadas que parecem não ter mais efeito, exceto o da massificação e da bruxaria de palavras da mídia e das propagandas.

Gente ignorante e mal educada no trânsito.
Gente burra e estúpida nos tratamentos.

E não é por maldade.
É por inconsciência.

Tem quem nem lembre que está vivo, de tanta coisa que quer deixar no mundo e tirar dele.

Mas sei lá,
só tenho a dizer,
que isso não serve pra ter paz não.

E a paz de espírito não tem preço que pague.

05 abril 2009

8x5

Um dia de oito horas de trabalho,
e uma semana com cinco desses,
mais algum projeto de vida,
e nos sobram os finais de semana...

A humanidade tem tudo,
mas não tem nada...

22 março 2009

O Fortuna

Fui ver sobre o que fala Carmina Burana , tão intensa na composição de Carl Orff, e com letra baseada em pergaminhos encontrados em um convento, contendo em sua maioria poesias.

Muito bom!... e a letra, mais atual que nunca, foi escrita provavelmente no século VIII.

21 março 2009

Doenças do Mundo

dor de cabeca

Porquê tanta buzina, barulho e microfonia?
A humanidade precisa abafar seu próprio grito dentro do barulho que se tornaram nossas vidas.

E seguindo a celebração do descobrimento (do brasil)...

Um brinde! A gente que reclama da vida mas faz tudo igual todo dia!

Soberbos, como se fossem senhores de seu destino, sua mente acredita estar no controle de tudo, até que a vida lhe mostre que quem tem o controle é o tempo.
acorrentado

Tristes os que se guardam para não sofrer.

Tristes os que acordam sem se lembrarem que estão vivos,
e que estão vivos de graça,
e que o mundo não exige nada que não queiramos.

Tristes os que passam fome, e tristes os que ficam obesos pela ansiedade.
Tristes os que não tem nada, e tristes os que se apossam de mais do que podem sequer guardar.

Tudo o que está aí é desejo da humanidade, quando não alimentamos o mal, ele desaparece sozinho.

Tanta pressa, para correr e fazer tudo de novo em outro nível, sem muitas vezes sequer aproveitar o anterior. Tanta televisão e programa, pra ninguém olhar pro céu. Tanta riqueza rolando que o anel que brilha estraga a flor do coração da menina que se deixa levar pelo dinheiro fácil, e pela vida difícil.

Dar o que não faz falta,
ouvir o que não causa mal,
agradecer o que se pode usar,
e lutar até o fim pelo que se acredita.
Mesmo que seja o fim da sua decência de acreditar em algo.

Felizes os que sabem que estão vivos, e não são do mundo, porque o mundo é deles.

12 março 2009

Curiosidades Sobre Fontes

Leia o Texto e Torne Seu Dia Mais Útil em Um Minuto! :)

A Helvetica é uma família tipográfica sem-serifa, feita em 1957 para uma tipografia suíça. Seu título é derivado de Helvetia, o nome latino da Suíça. Originalmente chamada Haas-Grotesk, é uma fonte sem serifa bastante limpa e um dos princípios de seu projeto foi a máxima legibilidade.

Entre outros usos famosos, a Helvetica é a fonte padrão do sistema de comunicação visual do metrô de São Paulo.

A Arial, bastante difundida pelo mundo devido ao fato de ter sido distribuída pela Microsoft em várias edições de seu sistema operacional costuma ser associada à Helvetica, embora seja criticada como uma "cópia inferior". De fato, porém, a Arial é inspirada no desenho de uma outra fonte, a Akzidenz Grotesk (a qual também serviu de inspiração ao desenho da Helvetica). Uma maneira fácil de identificar as duas fontes é através da comparação dos tipos relativos às letras "R" e "G" maiúsculos e do "a" minúsculo. ... A IBM criou a Arial (na época chamada Sonora Serif) para se libertar do alto custo de licença da fonte Helvetica cobrada pela Linotype. A Microsoft, procurando uma alternativa ao mesmo alto custo, começou a utilizar a fonte da IBM com o nome de Arial.

comparação entre fonte helvética com perna do a bem esticada para a direita e fonte arial quase sem perna


A Futura é uma família tipográfica sem-serifa considerada como um dos símbolos do modernismo no design gráfico, foi desenhada em 1927 por Paul Renner baseado em princípios rigidamente geométricos, inspirada nos ensinamentos da Bauhaus.

futura

A futura foi uma das fontes mais populares do século XX, especialmente nas décadas de 1950 e 60 devido à sua limpeza e impacto. Apesar disso, o tipo não é indicado para textos longos (especialmente textos literários como romances) devido ao cansaço de sua leitura prolongada. A fonte ainda é bastante eficiente em identidades corporativas, títulos, etc.

Empresas como Volkswagen e Shell, por exemplo, fazem uso extenso da futura. O diretor Stanley Kubrick também é conhecido por fazer vasto uso desta família tipográfica em seus filmes.

Times New Roman

A Times New Roman é uma família tipográfica serifada criada em 1932 para uso do jornal inglês The Times of London. Hoje é considerada um dos tipos mais conhecidos e utilizados ao redor do mundo, em parte devido ao fato de ser a fonte padrão em diversos processadores de texto. Seu nome faz referência ao jornal (Times) e ao fato de ser uma releitura das antigas tipografias clássicas (new roman).

Times New Roman é uma fonte que foi adaptada de tal forma que possui excelente legibilidade, misturando curvas clássicas e serifas, o que permite que seja usada tanto em livros e revistas quanto em textos publicitários e relatórios de empresas.