22 junho 2005

Ó nóis aqui outra veiz!

Sabe aquela história sempre me ferro em negociações ou da menina que só arruma vagabundo ou ainda o tio que reclama que sua vida é um saco, tá fudida? Parece que a vida coloca a gente repetidamente em situações que não conseguimos resolver. Nesse caso, a única saída que temos para mudar nossa vida é mudarmos nós mesmos, e reagirmos diferente. Diferente de tudo o que já fizemos que deu errado. E diferente do que realmente vimos dar errado no mundo ou em outro. A pergunta mais feliz seria o que dá certo? O que dá certo é clareza. É lutar para conseguir, encarar de frente sempre que possível. Fazer os objetivos justos, lutar por eles, conquistá-los e quando alguém vier tirar algo que é teu, não dê. Mesmo que depois você ceda, mas não dê nada (mesmo emocional) seu quando alguém quer tomá-lo. Apenas quando esse momento passar você poderá ceder sem abrir uma lacuna espaço-temporal que vai permitir que alguém pense que tem poder sobre você.

infelizmente...
that's the magic...

O que dá certo é ser sincero e verdadeiro ao máximo de tempo possível, pricipalmente consigo mesmo e consequentemente com os outros. O sofrimento não é à toa. Ele nos fortifica e nos prepara para temos forças e reagirmos de maneiras diferentes às mais diversas situações. A vida nos ensina como num combate. Podemos escolher em dar e receber muita porrada, ou podemos optar em treinar com a vida como que dançando... A vida dançada, mesmo que siga uma luta verdadeira, é mais leve...

"A vida dá pra gente o que a gente dá pra ela." Isso eu vi o Zeno Stivanin falar uma vez. O Zenão hardcore mesmo. Não sei se é dele ou não, mas que verdadeiro!

QUEBRE A BARREIRA.
PULE DO PENHASCO! (reconhece isso?)
LUTE!!

E faça o que deve ser feito. Cada dia pede, basta acordar e fazer o que tem que ser feito. Goste do que faz. Faça o que gosta. Goste do que tem. Tenha o que gosta. Somente e nada mais do que isso. O auto controle facilita ainda muito mais. Mas tudo é treinado junto.

A mágica da vida é equilibrar a mente (conhecimento, entendimento objetivo da vida, lógica, sentidos), o espírito (sabedoria, amor, compaixão, sentimentos), as artes (entendimento subjetivo da vida, criatividade, percepção, sensibilidade) e social (auto aceitação, percepção da igualdade, da necessidade de aceitação mútua, da possibilidade de uma existência mais harmoniosa e mais pacífica, mesmo que não perfeita)...

Vamos manter nossas balisas no ar!...
Como os meninos do sinaleiro fazem com as laranjas.
Eles é que sabem da vida.

Um comentário:

Zô disse...

É necessário as cicatrizes (físicas ou emocionais)para lembrarmos da nossas lutas diarias...
O equilibro é a lei, nem bom e nem mau, apenas justo.
Jump!