17 março 2008

Tempos Estranhos


Tempos estranhos vivemos...
Em tempos aonde plantamos árvores pela internet...
Aonde um computador pessoal tem mais poder de processamento do que tinha um mainframe de 20 anos atrás...
Aonde a tecnologia está a preço de banana, e a banana a preço de alta tecnologia...
Aonde o mundo tinha 6 bilhões de habitantes, o qual muitos de nós vimos na TV tempos atrás, e depois deles já nasceram 800 milhões de pessoas a mais do que as que morreram no mesmo período (aliás, estima-se que no dia do meu nascimento, em algum lugar de maio de 1977, o planeta tinha menos de 4,25 bilhões de pessoas, o que significa que nos meus meros 30 anos de existência pude ver o mundo aumentar em 33% sua população humana. Em 1987 completaram-se os 5 bilhões de habitantes, e em 1999 os 6 bilhões.)

E mais, esses habitantes já desenvolveram tecnologias fantásticas de captação de energia,e ainda queimam combustíveis fósseis pra sustentar o poder econômico das duas maiores indústrias do mundo: a petrolífera e a automobilística.

Enquanto isso, tudo que é humano é visto cada vez mais como superficial, e o que importa é o consumo, a produção, o uso, o abuso, o crescimento desenfreado do PIB...

E a histeria toma conta dos jornais e da televisão, que deixando o povo cada vez mais amedrontado e burro consegue cada vez mais controle. E o povo assiste ainda a TV, fazendo os 30 segundos de propaganda no meio do jornal nacional renderem 350 mil reais pra globo, que usará esse dinheiro pra criar mais matérias amedrontadoras.

Adolescentes matam e todos vêem isso no jornal, mas aqueles que costroem pouco aparecem. O mundo humano virou um pulgueiro de corvos em busca de más notícias, de desgraças. Empurram goela abaixo a necessidade de sofrimento.

E nesses tempos estranhos eu lembro...

Nascemos para sermos felizes! Olha o planeta que temos (ainda!), azul, verde, lindo...
Olha a natureza, o sol, a lua...
O mar, o vento, as águas, as pedras...
Olha tudo o que temos, as pessoas boas, as alegrias, a sonzera boa, música, canto, a chuva, o dia, a noite, o tempo e a brisa do outono que lembra que tudo passa...

Nascemos pra lembrarmos que tudo isso que nos ensinam está errado.
Que os valores são ridículos, que estamos sendo enganados.
Nos vendem tudo que não somos, para sermos tudo que não queremos.

E assim passam os dias... até os 7 bilhões...
Dias estranhos...
brisa de outono chegando...
uma blusa de lã e uma música de fundo é tudo que falta...

3 comentários:

bamban disse...

Lindo post. Bela forma de acordar numa terça as 11:38 da manhã.

Você leu os filósofos do iluminismo? Todo adolescente consciente, como eu ERA, leu e pirou com Rousseau ou Montesquieu. Enfim isso é só um gancho pra lembrar que o mundo, pelo menos o de uns 2008 anos pra cá, sempre foi assim. O homem até nasce bom, mas o meio o corrompe. Sempre a humanidade preferiu a mediocridade à sapiência, basta ver a história. A única diferença é que agora a tecnologia acelera esse processo e quantidade absurda de seres humanos aumenta essa visibilidade. Mas essa mesma quantidade absurda aumenta também o número de pessoas que conseguem ver e perceber que isso está errado, que o que resta de vida está no fim, que a velocidade atual não pode mudar o tempo que uma flor leva para florescer ou que o sangue leva para ir do coração à cabeça.
Esse tecnologia a preço de banana ACABOU com o gosto da banana.
Enfim, continuo tendo esperanças que algumas coisas nunca mudam e outras devem mudar.
Um grande abraço e sinceras saudades de conversas assim ao vivo contigo, tomando um café aguado num queijo qualquer da vida.

Raiz disse...

Oi!
Esta é a verdade... você falou tudo... as pessoas estão entrando cada vez mais no sistema, por exemplo, nem se preocupam se o que estão falando na tv é verdade ou não, nem questionam, como já dizia o Renato Russo "Todos querem ver e comentar a novidade"... querem mesmo é ver a má notícia, muitas, ainda preferem ver a televisão do que conversar com alguém, e caso falem com ela no momento em que está assistindo, ela nem irá escutar...
As pessoas têm se preocupado mais em parecer ser algo do que em ser alguém do bem... Passam pela frente de uma praia maravilhosa e nem olham para o mar por que estão muito ocupadas... por que não aprenderam o verdadeiro valor da natureza. Dar um click para plantar uma árvore é fácil, aliás, muitas pessoas se dizem preocupadas com a natureza por que clicaram no site para plantar uma árvore, mas esquecem completamente da natureza quando jogam lixo no chão. Falar que se preserva a natureza virou moda... pode perceber... nos comerciais de grandes empresas, todos estão preocupados em falar que se importam com o meio ambiente...
Mas... graças a jah ainda existem muitas pessoas de bem, que podem perceber que não é cultivando as coisas ruins do cotidiano que conseguiremos crescer e aí sim... atingir aquilo que é o objetivo principal da vida... Ser feliz!
Muita paz!
Um abraço

gazstao disse...

Falou tudo,

sobre as árvores,
sobre a felicidade,
sobre ser alguém do bem (e portanto, conhecer e conviver com seres do bem!)

:)