07 abril 2008

A Libertação de Nós Mesmos


Muitas vezes nos comparamos com outras pessoas para estabelecermos nossas referências. Isso, além de dar a possibilidade de manipulação de resultados (comparar pontos fracos de alguém com pontos fortes de si mesmo ou o contrário) ainda oferece uma fácil oportunidade de infelicidade.

Ao comparar minha vida, por exemplo, com aqueles tiozinhos que aparecem volta e meia na televisão como heróis, que acordam 4h da manhã, pegam três a cinco ônibus, chegam em um ou dois empregos pra fazer o trajeto de volta e chegar em casa 22h, pra comer (um pouco) e dormir até que chegue o dia de pegar o salário, normalmente muito baixo, fico um tanto triste da desigualdade. Agradeço, porém, as oportunidades que me mantém longe disso, pois eu não seria feliz assim.

Ao comparar com um outro extremo, do investidor, herdeiro ou até mesmo político, com muito muito muito dinheiro e nada de produção (claro que existem exceções) também não consigo me encaixar nesse caso.

O fato é que constantemente nos sabotamos por não sermos como os outros. Por gostarmos de dormir mais do que a média, ou por não gostarmos de dormir. Por acreditarmos em coisas que as pessoas não acreditam, ou por não acreditar em nada. Por querer viver em meio a multidões, ou por querer se isolar. Não importa. Não somos como os outros e é muito difícil desconstruir esse pensamento. É difícil pensar que a tão utilizada palavra "diferencial" representa exatamente isso: as diferenças. Alguns restaurantes querem ser populares e baratos, outros querem ser exclusivos e são caríssimos, e assim existe toda a diversidade que, assim como o ADN (DNA) quanto maior maiores as chances de progresso (o progresso efetivo, não numérico como o medido atualmente).

As diferenças fazem com que tenhamos um lugar único no mundo.
O que nos importa realmente é descobrirmos qual nosso lugar no mundo, quem somos, o que queremos, como queremos viver, o que queremos ter, se seremos felizes tento o que desejamos, se vale pagar o preço de manter aquilo que consquistamos e estar sempre indo em direção a uma vida mais plena.

Eu gravo as musiquinhas em casa, e sei que nem de longe elas são comparáveis com bandas legais, com coisas realmente boas. Mas não gravo elas pra ninguém além de mim, porque é por isso que elas existem: simplesmente pra passar meu tempo e me dar algumas sensações de realização que não consigo reproduzir de outra maneira no dia a dia.

Mas o mais importante é que, quando cada um for um, todos seremos uma coisa só também.

7 comentários:

Ange disse...

Veja que as comparações que você fez estão diretamente ligadas ao dinheiro... Ser um tiozinho sem dinheiro ou ser o investidor que tem mto dinheiro...
"A sabedoria vale mais que o ouro e a prata".
Na minha opinião a pessoa que tenta se comparar com outra está completamente perdida, a gente tem que em primeiro lugar descobrir o que somos, p q a muito tempo já não somos o que deveríamos ser... perdemos nossas essencias, nossas raizes... tenho certeza que o que fez com que nós pessoas nos tornassemos isso q somos foi o dinheiro... ninguem nasce querendo ter dinheiro, a gente aprende isso com a sociedade, aprende que não é bom ter que pergar 5 ônibus para ir trabalhar! Aliás, olha que exemplo perfeito! Meu Deus! P q um tiozinho que mora em uma zona rural tem que pegar 5 ônibus pra ir trabalhar? P q ele não tira o sustento da terra? P q o tiozinho da terra quer ir pra cidade e p q as pessoas da cidade juntam-se aos sem terra para poder ter um lugar pra plantar!? Isso é sim uma inversão de valores!
Eu concordo qdo vc disse que precisamos descobrir qual é o nosso mundo... o q nos faz feliz... mas tem algo que faz minha cabeça doer qdo eu penso... que é essa situação de ver que todo mundo é corrompido, que as pessoas que realmente se acharam, encontraram seu eu e foram chamadas de "Iluminados" não existem mais... Será que eu vou conseguir chegar lá? Será que o mundo vai conseguir chegar lá? aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii..........................................

gazstao disse...

é verdade, a sabedoria vale mais que o ouro e a prata. Aquela história de conseguir o que o tempo não destrói e as traças comem... também é verdade sobre a inversão de valores. Pessoas do campo querendo trabalhar nas cidades, pessoas da cidade querendo morar no campo. Infelicidade parece uma constante devido ao grande desequilíbrio humano.

E sobre isso de serem corrompidos, acho que tem toda razão. O problema não é as pessoas errarem, mas sim colocarem a culpa em outros, acharem que é normal roubar, enganar, achar que quem pode mais chora menos, essas coisas que acabam cada vez mais desequilibrando um sistema muito, mas muito, mas muito frágil que é a comunidade humana.

Tomara que consigamos chegar lá... mesmo que só por uns instantes, mesmo que só um pouco...

Ange disse...

Nossa cara, falar "eu roubo pra comer" tendo duas pernas pra trabalhar, se bem que não se vê mais esse tipo de situação, hoje as pessoas roubam pra se drogar, pra fumar pedra, sem dó nem piedade...
Roubar não é certo, mas se for pra roubar, roube de quem tem bastante não de pobre que trabalha 5, 10 anos pra comprar um veiculo por exemplo...
E assim caminha a humanidade né... pra tráz!
Tem horas que eu me desvio um pouco dos meus objetivos sabe, qdo vejo tantas coisas erradas, dá vontade de sair correndo e se isolar no meio de um mato...

Tenha um dia iluminado!

Paz!!!

gazstao disse...

é... tem um amigo meu de informática que vive na cadeira de rodas e mal tem o movimento dos dedos, mas coloca um suporte em cada mão e trabalha como programador.

A força é de dentro mesmo.

O que vale à pena viver isso tudo são essas pessoas, as pessoas que valem a pena!

Um dia iluminado pra vc tbém! :)

bamban disse...

Acho que comparações são inevitáveis, mesmo quando achamos que sabemos quem somos...

O problema é esse, saber quem somos e o que queremos de verdade. Não que isso seja fundamental para a felicidade ou infelicidade.

As vezes até achamos que sabemos e vem alguém ou algo que desfaz essa pretensão rapidinho.

Viver ainda, bem, sempre é a melhor alternativa, nos desafiando a cada dia e também nos completando a cada dia.

Ter respostas não significa muito. Pois como já li aqui, respostas são individuais.

Ps: Quem ser ange?? O complemento do gazstão????

gazstao disse...

:-p

engraçadinho!

Positividade disse...

Sou um ser pensante, desta forma aqui tenho lido coisas que me fazem pensar...