22 abril 2008

Falta um Sentido

passos dispersos
Para a humanidade só falta uma coisa: Sentido de Existência.

Não há outra razão nem melhor objetivo do que dar um verdadeiro sentido à existência.

Esse sentido, que num contexto mais amplo pode ser dito até mesmo como crianças que são autodidatas não porque a inteligência nem o meio a forçam a isso, mas porque o ensino pode se tornar uma coisa tão simples e interessante que a própria corrente existencial se encarrega da assimilação; ou porque todos caminham para uma construção bem definida e com objetivos claros e simples: fazer as coisas darem certo; ou que a preocupação com o que realmente importa: alimentação, oportunidades para todos, liberdade, ação, sabedoria não se transformem em uma alienação com futilidades que terminam em fome, desigualdade, opressão, exploração, estupidez.

A capacidade da humanidade jaz quase desconhecida para a maior parte de seus habitantes devido justamente à crença no que vemos. A crença no sistema que não funciona, que cuida tão mal dos objetivos pessoais quanto dos sociais. Que desestabiliza tudo e a todos em troca de simples egoísmo e estagnação.

Não há mais tempo de ficar parado, vendo tudo acontecer. Não há mais porquê fazer isso. O mundo claramente dá sinais que precisa de uma mudança, em uma mudança individual de percepção que torna cada um único, e assim, designando valor a si, pode então dar valor ao outro.

Não há mais razão de ficarmos quietos, tendo em vista que não há razão de continuar vivendo para as coisas assim como elas estão. Não nos satisfazem, são um saco sem fundo. Eu quero sim, prazer, beleza, paz, quero viver bem também, quero viver especialmente em paz, e assim fazer com que tudo tenha um verdadeiro sentido.

Repetindo (pois slogan é pra repetir!)
Como já dizia o slogan do falecido "Desorganize" (do yahoogroups):

"E quando cada um for um, todos seremos uma coisa só também..."

7 comentários:

Lindsey disse...

Lembrei do título do livro "Em Busca de Sentido" de Victor Frankl, relata a trajetória dele
em um campo de concentração, em co
mo encontrar uma razão para viver.
Ele chega a conclusões incríveis sobre pessoas,sociedade e liberdade.Experiências e uma visão sobre o aproveitável e o necessário. O importante é a escolha de nossos caminhos ...
(Sim amo!)bj

gazstao disse...

:)

Positividade disse...

Por aki sempre tem coisa boa a se discutir!

Volta e meia tenho pensado neste assunto que levantaste... Eu penso que a gente nasce tendo o conhecimento de tudo...
"Crianças não nascem más, crianças não nascem racistas... aprendem o que a gente ensina"
De fato... Repare na vida... todos nós nascemos puros, com as coisas da vida, do sistema, como vc mesmo mencionou, com as coisas que a sociedade impõe... com as regras, com os dedos apontados em nossa cara, vamos perdendo nossas raízes vamos nos transformando "nisso", na adolescência fazemos tudo que é errado... é o ponto em que já desaprendemos tudo, aí... conforme o tempo vai passando, vamos ficando mais velhos e então reaprendendo a viver...
ou seja, a gente nasce sabendo, perde tudo o q sabemos pra ter q aprender tudo de novo... portanto, o sentido da existência para mim consiste em resgatar o que foi esquecido...

Paz!!!!!!!!!!!!

gazstao disse...

é isso aí...
como já dizia o Chico Science (E a Nação Zumbi):
"Que eu desorganizando posso me organizar, que eu me organizando posso desorganizar..."

desaprender é tão importante quanto aprender, não?

Positividade disse...

Pior...
Foda é ver q a gente poderia só evoluir se não tivessemos adquirido tantas coisas ruins que a sociedade nos impõe...
tem q perder pra aprender a dar valor... é algo +/- assim....

gazstao disse...

isso é verdade...
Acho que Freud disse que temos que matar nossos pais em nós, mas na verdade temos que matar toda uma sociedade e sistema de valores junto pra realmente estarmos livres pra ser quem somos...

Quanto a perder pra dar valor:"Quem não agradece o que tem e sempre quer mais, só percebe o valor quando perde."...

:)

Éverton Vidal disse...

Gostei do texto, concordo sim, é claro que concordo. Também curti a imagem.