12 julho 2006

a vida é um strogonoff. and we are the champignons!!


é, parece que o esquema é levar a vida mais na brincadeira, mesmo...
pra que se estressar até a morte quando a felicidade está nas pequenas coisas da vida? Cada um atrai para si o que pensa, o que quer e o que merece, não necessariamente nessa ordem ou proporção. Nós somos só isso e tudo isso, meu! Só o que somos é o que está contido nesse nosso corpinho (muitas vezes totalmente fora da proporção estética imposta pela mídia) e no coração. O resto são adornos... o resto é eletricidade estática grudada...

Parece que tudo é sério e real, mas sério e real somente é o que existe. E o que fazemos e o que somos é o que existe. E podemos fazer o que gostamos, porque afinal alguém deve precisar de alguém que faça o que gosta e faça bem feito.

E podemos ser crianças, e fingir que toda a estupidez e hipocrisia só existem porque as pessoas realmente não sabem fazer diferente. E que nossa vontade de fugir existe só porque nos distanciamos de nós mesmos.

Eu queria saber programar melhor. Tenho que baixar os starter kits de C# do tio Bill (que aliás, adora o que faz, porque parece lego as novas linguagens free -express- da microsoft)

Eu queria saber surfar, andar de snowboard e skate (a um mês atrás andei de sandboard em Floripa! Se não fosse essa areia saindo da minha orelha até agora!!...)

Eu queria acreditar que mereço tudo o que desejo.
E queria acreditar que desejo pela diversão, pelo aprendizado, pela mudança, pela experiência, pelo desapego, pela saudades, pela vida...
E queria acreditar que eu ainda lembro que estou vivo.
E queria estar vivo de verdade. Mais vivo...

Mas tudo bem, enfim, tudo o que gosto também existe junto com o que desprezo.
Existem essas máquinas divertidas superprocessadas que são o brinquedo mais divertido (junto com os motores de 100cv -para não decolar- e a suspensão a óleo)


E existem os instrumentos musicais...
e quando tudo falha ainda existe o Tae Kwon Do, ou a capoeira, ou sei lá o que você gosta de fazer para desestricnar sua mente e seu corpo. E existe o sexo, que quando bem feito e feito com uma pessoa que merece é transcedental. E existe a música. E existem as estradas (que na segunda feira meia noite estão vazias)

E existe eu e existe você. E existe a mágica. Ela fica meio escondida, porque afinal tanta gente burra (sem julgamento! hahahahahaahahahaha) que se ela estivesse à mostra afundariam Atlântida de novo. E existe o sol, e existe a chuva e existe a neve. E existem as estrelas e as coisas que nem imaginamos que existem.

E existem as ondas, os pensamentos, as cores, os sons.
E existem os links da vida. Do universo.
Claro que existe todo o oposto também, mas isso aqui na Terra conhecemos bem.

Mas é disso mesmo que estamos falando. Coitados desses políticos, dos exploradores, dos gananciosos desmedidos, dos hipócritas, dos nervosos. Estão todos destruídos, distantes de si mesmos, perdidos em um mundo que acreditam ser deles. Querem ter o mundo porque tem medo do mundo. Nós somos do mundo, não o contrário. Nós somos da vida, não o contrário. Nós somos nossos, é tudo o que é nosso.

Nem sei porque comecei a escrever isso. Acho que entrei no blog do Aurélio e fiquei meio nostálgico. Ou lembrei do curso técnico em Eletrônica, das pessoas despretensiosas e cientistas malucos que conheci lá. E dos cabeludos malucos que polgavam ao som do punk rock das nossas bandas, nossos amigos, que hoje são professores. E nós mesmos, que no dia a dia somos parecidos com tantos, mas nunca somos iguais, porque no fundo no fundo nós somos foda. Pelo menos pra nós mesmos. Podemos não valer nada pra outros. Podemos estar distante do que querem de nós.

Mas temos fé. E temos tempo. Não muito, mas temos. E temos alegria, e vontade, e paz no coração, mesmo que só lá, e mesmo que de vez em quando. A vida é um strogonoff. AND WE ARE THE CHAMPIGNONS!!

Um comentário:

Hel disse...

E às vezes eu gostaria de conseguir acreditar nas coisas que eu acredito com todo o afinco do mundo.

Às vezes parece que tudo está errado, sabe?

=(