11 dezembro 2007

Na Mente Consciente, Não Entra Confusão



Hoje consegui, depois de um período bastante conturbado de trampos seqüenciais, um dia daqueles em que vale à pena trabalhar por conta... acordar 10h30 da manhã, resolver os problemas burocráticos (a maior parte por telefone ou internet), programar o dia seguinte (aquele que tem os trabalhos acumulados de hoje mais os de amanhã) e navegar na net... navegar bastante, conhecer coisas novas, viajar um pouco. Entrei depois de bastante tempo no blog do Aurélio , figurinha que desde sempre nunca soube ser humano ou extra-terreno. Como não sou preconceituoso, a pergunta sem resposta não importa mais.

Mas enfim, percebo que a maior parte dos problemas e limitações humanos residem em um fator quase ridículo, não fosse triste: a própria crença de que não se é merecedor ou capaz. Ao invés de auto-ajuda, a auto-sabotagem. Muitas pessoas são assim. Não vou citar nomes, mas tem um carinha que conheço que vive reclamando que está duro, mas nessa reclamação toda ele gasta energia que deixa de usar como ferramenta pra impulsionar ele, coisa que com todo conhecimento e capacidade já estaria looonge.

Depois de inúmeros anos como autônomo, achando que a escolha que fiz (manutenção de equipamentos médico-hospitalares) era tão importante e necessária que não fazia sentido eu tirar férias, a ficha caiu... ei ei ei: você trabalha faz 14 anos (estou no auge dos 30 verões!) e tirou nesse tempo diversos feriados e apenas uma vez 15 dias seguidos de férias? você cheira cola? Qual seu problema? Auto-sabotagem, respondi pra mim... e resolvi comprar um pacote turístico pro Machu-Picchu.

O que vai dar disso não sei, mas foi uma maneira que encontrei de romper os limites da minha realidade. O momento que isso aconteceu foi muito interessante, conto em outra oportunidade, mas basicamente tive uma "visão" da minha maleta de ferramentas, pesada, recheada de interessantes objetos que fazem as mãos realizarem tarefas além da imaginação (no bom sentido nerd das coisas), liberada de todo o metal, plástico e ligas de carbono-vanádio-monóbio-tungstênio para dar lugar às meias, cuecas e camisetas... Ahh que visão mais bela!

Depois a vez do Mac (sim, o arrependimento passou 100%!!), na hora de comprar um novo micro, chega de Windows, chega de tudo. Dessa vez vai ser Mac pra ver qual é, e foi! A volta da gravação de musiquinhas em casa, a possibilidade de criar facilmente podcasts (mesmo que toscos)... mais uma mudança.

E aí hoje tendo esse tempo livre lendo o site do Aurélio (eu apóio a campanha Aurélio trilhardário!) percebi que das várias pessoas que, ao invés de como a maioria das massas cuidar da vida alheia, cuidam da própria vida, conseguem resultados muito, mas muito produtivos!

Algo como realização pessoal não tem preço. Não tem carro na garagem que pague.
enfim, a solução dos problemas do mundo não está no mundo, está em nós, em sintonizarmos nossas antenas cósmicas no que realmente nos interessa, ao invés de no que nos incomoda, pois assim canalizamos nossa energia pra nossa própria transformação.

E o novo sempre traz ar fresco pra cabeça.
(como diz a Mirian: Não se esqueça de respirar!)


Um comentário:

Rafa Maués disse...

Amigooooooooo, queridoooo fiquei tão feliz qd vi seu coment no catatuma, vc faz muita falta viu!!!!!bjussssssssss TE ADORO!!!!!!